fbpx
Blog

Coisas de bebê: o movimento espontâneo

Coisas de bebê: o movimento espontâneo. Nas crianças, principalmente naquelas que ainda não desenvolveram a linguagem, o movimento pode trazer muitas informações sobre o seu bem estar. O movimento espontâneo que seu bebê faz, visualmente, não tem um padrão mas, indica o pleno desenvolvimento motor e sensorial da criança. Por isso, observar como seu bebê se mexe é importante e pode trazer muito mais informações que você imagina.

Muito prazer, sou a Liria, diretora de Pesquisa da Anamê e vamos juntos conversar sobre os bebês nos seus primeiros mil dias.

Movimento espontâneo do bebê – pré natal

A princípio, o movimento espontâneo começa assim que os músculos e o sistema nervoso do feto está formado. Movimentos pequenos, lentos e cíclicos da cabeça e do tronco são detectados pelo ultrassom 4D já na 5a semana de gestação.

Movimento espontâneo do feto na barriga

Esse movimento geral/espontâneo do corpo do feto, aparece já em torno da 7a semana e persiste por toda a gestação, até os primeiros meses de vida. Nesse sentido, esses movimentos gerais consistem em movimentos complexos e variáveis de flexão-extensão de todo o corpo, incluindo os membros, sem um padrão ou uma sequência determinada de movimento.

Além disso, os fetos humanos exibem um rico repertório de movimentos das pernas que inlcui chutar com uma perna só, chutar com as duas pernas simetricamente e chutar alterando os membros  (Lacquaniti etal, 2012).

Outro padrão de movimento que emerge em torno da 10a semana de gestação são os soluços, causados na sua grande maioria por contrações curtas e repetitivas do diafragma e, que podem durar por vários minutos (Einspieler et al (2008).

Movimentos espontâneos do bebê – pós natal

Posteriormente ao nascimento do bebê,  a coordenação entre braços e pernas desses movimentos espontâneos vão aumentando até 2 a 4 meses depois do nascimento. Enquanto o líquido amniótico neutraliza os efeitos da gravidade no feto, os recém nascidos precisam lidar com a gravidade para mover os seus membros e suportar o seu próprio peso corporal (falamos aqui sobre a importância da gravidade na marcha).

Há poucas mudanças na forma e padrão dos movimentos nas primeiras semanas de vida dos bebês apesar das alterações profundas nas condições ambientais. Em outras palavras, o bebê fora do útero tem que lidar com todo o espaço para os movimentos e/ou a própria ação da gravidade.

É em torno dos 3 meses de idade que a potência muscular aumenta e o bebê consegue ir contra a ação da gravidade, fazendo movimentos que incluem, nessa idade, o controle da cabeça (Lacquaniti etal, 2012).

Movimentos irregulares

Imagens dos movimentos espontâneos/irregulares em um bebê de 14 semanas (<a href="https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&amp;pid=S0021-75572016000400064">Einspieler et al, 2016</a>)

Dentro desses movimentos gerais/espontâneos, há uma classificação de movimentos irregulares que são pequenos movimentos de velocidade moderada e aceleração variável do pescoço, tronco e membros em todas as direções, como mostra a Figura.

Geralmente eles aparecem de 6 até 20 semanas de vida e, parecem desaparecer quando os movimentos antigravitacionais e intencionais emergem.

Esses movimentos acontecem quando o bebê está acordado e alerta, desaparecendo quando está dormindo ou chorando. E pode-se considerar esses movimentos como se fosse uma calibração de todo o sistema perceptual e motor, ou seja, uma experimentação de movimentos do bebê.

Definitivamente, esses movimentos parecem pequenos mas, possuem um grande impacto no desenvolvimento da criança (Einspeler et al, 2016).

Movimento Espontâneo é a janela para o cérebro do bebê

Como já comentamos, nessa fase do bebê, o movimento traz muitas informações sobre o seu bem estar.

Estudos relacionados com alterações cerebrais e a quantidade de ocorrência desses movimentos gerais tem mostrado que a quantidade da ocorrência desses movimentos não parece estar alterada. Todavia, crianças que possuem algum acometimento cerebral se movimentam de forma diferente do que os bebês sem nenhum acometimento. Em outras palavras, a qualidade do movimento parece ser diferente nesses dois grupos.

Em outras palavras, crianças com acometimento cerebral, parecem apresentar movimentos mais caóticos. Portanto o cérebro intacto é um dos pré-requisitos para a qualidade normal dos movimentos espontâneos. Dessa forma, esses movimentos espontâneos são uma janela para a integridade cerebral. Isso é importante porque a avaliação desses movimentos pode dar informações sobre alterações no cérebro antes mesmo de serem perceptíveis.

Movimento espontâneo: o que observar?

Num trabalho de revisão, eles descrevem 2 fatores que pode ser observado para verificar alteração no movimentos espontâneos dos bebês:

  1. um padrão persistente e fixo de movimento que faz com que o movimento pareça rígido, sem a fluidez característica de um movimento suave. Além disso, todos os músculos do tronco e membros parecem contrair e relaxar simultaneamente, como se fossem em bloco.
  2. a ausência dos movimentos irregulares descritos anteriormente. Um estudo com mais de 900 bebês prematuros mostrou que a avaliação clínica somada a avaliação observacional da ausência desses movimentos irregulares tem uma sensibilidade de 95% e especificidade de 96% para detecção de problemas do neurodesenvolvimento. Um outro aspecto que este trabalho traz é que a partir dos 3 meses de idade, a ausênia de movimentos em torno da linha média, ou seja, trazer os pés (contato pé com pé) no centro do corpo também é um sinal específico de problemas que merecem ser melhor investigados.

Importância dos movimentos espontâneos do bebê

Definitivamente, esses movimentos espontâneos são muito importantes para o diagnóstico precoce de disfunções cerebrais e de predição de alterações neurológicas “futuras”. Essa avaliação observacional geral do movimento espontâneo dos bebês é uma avaliação qualitativa baseada em reconhecimento de padrões e, devem ser realizadas por um profissional (médico,  fisioterapeuta e/ou terapeuta ocupacional) treinado.

Pesquisas vem sendo feitas para uma detecção automatizada de desvios motores precoces com  o uso de novas tecnologias. Quanto mais precoce for a detecção de algum distúrbio do neurodesenvolvimento mais precoce será a intervenção terapêutica e portanto, possibilitando uma optimização dos resultados melhorando a qualidade de vida da criança, da família e do meio social que o abrange.

A Anamê vem procurando desenvolver produtos que consigam traduzir as informações que o movimento traz.

Achou esse artigo útil? Poste nas suas redes sociais, ele pode ser útil para outros pais também!

Anamê, tecnologias para cuidar da vida!

Espero que tenham gostado! Se tiver dúvida é só perguntar que iremos te responder!

Um abraço apertado, com carinho da Liria da Anamê

Dra. Liria Okai-Nóbrega. Pesquisadora, Doutora em neurociências e pós doutora em ciências da Reabilitação.